Legalização da maconha no Marrocos dará anistia aos cultivadores

Como um passo em frente com a legalização da maconha que já está em andamento no país, haverá anistia para os cultivadores de cannabis no Marrocos.

No Marrocos, existem dezenas de milhares de cultivadores desta planta que poderão beneficiar da anistia geral que será implementada no país como resultado da legalização da planta. Esses milhares de cultivadores não precisarão mais ter medo de ser processados ​​por cultivar a planta, segundo publicou o site Maghreb Intelligence.

Há algumas semanas, o Parlamento marroquino legalizou a cannabis para uso terapêutico e industrial. Com a medida de legalização, o maior produtor mundial de cannabis entrou na lista dos países que regulamentam essa planta de alguma forma.

Uma anistia para cultivadores de cannabis

Com a legalização da maconha para uso terapêutico ou industrial, incluindo o uso em cosméticos, o executivo da capital Rabat busca que os milhares de cultivadores especializados na produção dessa planta ingressem no mercado. Para isso, haverá uma anistia geral para esse grande grupo de cultivadores que, antes dessa legalização, estavam sob o cuidado das autoridades judiciais.

“Dezenas de milhares de cultivadores de maconha no norte do Marrocos se beneficiarão de uma anistia geral e não serão processados”, de acordo com o Magrebe Intelligence.

Está prevista a criação de cooperativas públicas para o cultivo, bem como instalações para o processamento e onde toda a produção será voltada para o mercado internacional. Porém, todas as produções que não se destinem a esses mercados oficiais serão perseguidas.

Esta nova legislação da cannabis no Reino de Marrocos, visa dar um forte impulso à economia, reforçando o desenvolvimento econômico e a criação de empregos nas áreas afetadas. Os relatórios e resultados dos estudos realizados pelo Ministério do Interior e apresentados ao Parlamento mostram que mais de 50.000 famílias com mais de 400.000 pessoas vivem hoje desta produção. Além disso, os mesmos estudos mostram que a grande maioria desses benefícios econômicos vão para os “patrões” em ambas as partes do Mediterrâneo.

Com esse movimento de legalização da produção de cannabis para uso terapêutico ou industrial, o Marrocos pretende capturar 10% do mercado europeu, cerca de 4,2 bilhões de dólares ao ano. Atualmente, o faturamento dos cultivos de cannabis é muito longe desses números: De 16.000 até 75.000 dirhams por hectare por ano (R$ 9.500 até R$ 44.450).

O governo marroquino busca uma legalização rápida da produção da cannabis. Além disso, os quase 400 deputados marroquinos puderam, até uma semana atrás, apresentar emendas ao texto elaborado pelo número um do Ministério do Interior, Abdelouafi Laftit.

O ministro Abdelouafi Laftit pertence à Associação dos Independentes, um político independente da região de Rife e adversário do partido islâmico e conservador Justiça e Desenvolvimento (PJD), que detém o poder na capital marroquina.

Em setembro haverá novas eleições para o parlamento do reino, a legalização da cannabis pode produzir divisões dentro do partido PJD e isso pode tornar difícil chegar a um acordo no novo parlamento que sai das urnas. Na verdade, o ex-chefe do PJD, Abdelilah Benkirane, ameaçou deixar o partido se votassem a favor da legalização da cannabis, o que aconteceu. Isso poderia causar uma divisão dentro do partido islâmico e uma divisão em dois.

A legalização da produção de cannabis é uma medida esperada pelos rifenhos

Para os cultivadores de cannabis no norte do Marrocos e com a região de Rife na vanguarda, legalizar a produção da planta é uma medida há muito esperada por este grupo. Trabalhar legalmente, e cultivar uma planta que há décadas está na clandestinidade, é uma medida muito desejada e que vai mudar muito a situação dos habitantes da região.

Esses coletivos rurais estão mais do que ansiosos para produzir uma erva legal e ter uma indústria legalizada na qual já são uma potência mundial. Prova disso é a nova criação de uma “coordenação das áreas de origem da cannabis”, um grupo que vai defender os seus interesses e que exige em primeiro lugar “uma revisão do registo criminal” publicado pelo jornal Al Ahdath Al Maghribia.

A anistia aos cultivadores é a resposta do governo marroquino que parece ter ouvido a demanda dos coletivos ativistas do país.

Referência de texto: La Marihuana

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s