Deficiência de endocanabinoide: causas e soluções

O sistema endocanabinoide atua como um regulador universal de quase todos os sistemas do corpo. Às vezes, nosso corpo produz baixos níveis de endocanabinoides, causando uma deficiência associada a vários problemas de saúde. Descubra as causas dessa deficiência e como pode remediá-la com certos alimentos, ervas ou exercícios.

As pessoas costumam se surpreender ao descobrir que moléculas semelhantes às da cannabis ajudam a regular quase todas as funções do nosso corpo. O corpo humano gera produtos químicos muito semelhantes aos produzidos pela cannabis e os usa para regular o apetite, a função cerebral, a saúde da pele, o sistema imunológico e muito mais.

Mas essas não são moléculas aleatórias flutuando pelo corpo. Eles fazem parte de uma grande rede de receptores, enzimas e moléculas de sinalização, conhecida como sistema endocanabinoide (SEC).

A seguir, explicaremos tudo o que você precisa saber sobre esse sistema, como ele funciona no corpo e o que acontece quando sofremos de deficiência de endocanabinoide. E, finalmente, vamos lhe dizer como você pode regular seu sistema endocanabinoide por meio de exercícios, dieta e ervas para manter uma saúde ideal.

Qual é o sistema endocanabinoide?

O sistema endocanabinóide atua como um regulador universal dentro do corpo humano, ajudando a manter o equilíbrio de outros sistemas biológicos.

Cada aspecto de nossa fisiologia funciona dentro de um certo “ponto ideal”; E o sistema endocanabinoide garante que as coisas não se afastem muito desse nível ideal. Por exemplo, o SEC ajuda a manter a pressão arterial adequada, bem como boa densidade óssea, neuroquímica, apetite e a ação das células imunológicas.

Em última análise, este sistema extraordinário mantém tudo sob controle. Sem o poder regulador dessa rede, o corpo falharia rapidamente.

Podemos imaginar o sistema endocanabinoide como se fosse um semáforo dentro do corpo. Atua como luz vermelha quando as células se tornam hiperativas e como luz verde quando precisam de um empurrão para aumentar sua atividade. Este estado de equilíbrio é cientificamente conhecido como homeostase.

Componentes do sistema endocanabinoide

A SEC é composta por três elementos principais.

  • Receptores

Os receptores canabinoides são encontrados nas membranas de muitos tipos de células diferentes em todo o corpo. Eles funcionam como transmissores de sinais, transportando informações de fora para dentro da célula. Eles também são encontrados em pequenas organelas dentro das próprias células, incluindo mitocôndrias.

Até agora, os pesquisadores identificaram dois principais receptores de canabinoides. Ambos pertencem à categoria de receptores acoplados à proteína G (GPCR, sigla em inglês). Os cientistas também descobriram vários locais de receptor que podem ser candidatos ao terceiro receptor de canabinoide.

CB1: este receptor é o GPCR mais abundante no cérebro dos mamíferos e desempenha um papel crucial na aprendizagem e na memória. É encontrada principalmente no sistema nervoso central, mas também está presente no sistema imunológico e no sistema músculoesquelético. Quando uma pessoa fuma maconha, ou a usa de outra forma, o THC se liga a esse receptor causando efeitos psicotrópicos.

CB2: o receptor CB2 é encontrado principalmente nas células imunológicas por todo o corpo e em pequenas quantidades no sistema nervoso. Este receptor ajuda muito a regular a resposta inflamatória.

CB3: A ciência ainda não classificou um receptor CB3. No entanto, existem vários candidatos para a posição, como o receptor TRPV1 (envolvido na transmissão da dor) e o GPR55 (que reage ao nosso próprio suprimento de canabinoides).

  • Endocanabinoides

Se imaginarmos os receptores canabinoides como uma fechadura, os endocanabinoides seriam a chave. Essas moléculas (também chamadas de canabinoides endógenos) são criadas dentro de nossas células e liberadas quando nosso corpo precisa delas. Eles têm uma estrutura molecular específica que permite que se liguem aos receptores canabinoides. Em nosso corpo, existem dois endocanabinoides principais:

Anandamida: também conhecida como “molécula da felicidade”, a anandamida se liga aos receptores CB1 e CB2. Seu apelido se deve a como afeta o humor. Como o THC, a anandamida interage com o receptor CB1 causando uma mudança na consciência (embora em menor grau do que o THC).

2-AG: este endocanabinoide também se liga aos dois principais receptores canabinoides e desempenha um papel crítico no corpo. Ajuda a regular as emoções, cognição, dor e inflamação.

  • Enzimas

As enzimas metabólicas representam o terceiro e último pilar do SEC. Essas proteínas são responsáveis ​​pela fabricação de endocanabinoides, e também por sua desconstrução, uma vez que cumpram sua função. As principais enzimas do sistema endocanabinoide incluem hidrolase amida de ácidos graxos (FAAH) e monoacilglicerol lipase (MAGL).

O que é o endocanabinoidome?

O SEC começou a ser investigado na década de 90. Desde então, a ciência adquiriu um maior conhecimento sobre essa complexa rede. Embora os receptores, enzimas e endocanabinoides mencionados acima formem a base desse sistema, os pesquisadores agora criaram o termo “endocanabinoidome” para descrever uma versão expandida do SEC com muitos mais receptores e moléculas.

Em geral, o endocanabinoide é composto de:

  • Uma série de moléculas de ligação
  • 20 enzimas
  • Mais de 20 locais receptores

Qual é a teoria da deficiência de endocanabinoides?

Acredita-se que a deficiência de endocanabinoides ocorra quando o corpo não produz uma quantidade adequada de endocanabinoides, receptores ou enzimas.

Da mesma forma que uma pessoa pode sofrer de uma deficiência nutricional (como a falta de ferro) ou baixos níveis de certos neurotransmissores, é lógico que o corpo às vezes não consiga produzir endocanabinoides suficientes.

E dada a importância dos endocanabinoides para a nossa fisiologia, uma deficiência pode causar grandes distúrbios em nosso corpo, podendo até levar a desconfortos ou doenças.

Cada pessoa tem seu próprio “tônus endocanabinoide”, que se refere à quantidade de endocanabinoides produzidos pelo corpo e que circulam pelo corpo. Existem vários fatores que podem causar uma redução desse tônus ​​endocanabinoide, como a genética e a dieta.

No entanto, o excesso de endocanabinoides também pode causar problemas. Por exemplo, a superativação do receptor CB1 pode interromper o sistema de recompensa do corpo, contribuindo para a obesidade.

Estudos sobre deficiência de endocanabinoide

O Dr. Ethan Russo (neurologista e pesquisador de cannabis) publicou vários artigos sobre deficiência de endocanabinoide, onde ele estabelece uma ligação entre a redução do tônus ​​endocanabinoide e várias doenças crônicas.

Por exemplo, o sistema endocanabinoide desempenha um papel crucial na saúde intestinal, ajudando a controlar a secreção, a inflamação e a movimentação de alimentos e resíduos. Quando uma pessoa produz poucos endocanabinoides ou receptores, o SEC não consegue realizar essas tarefas adequadamente, o que pode causar sintomas. Por exemplo, alguns pacientes com síndrome do intestino irritável apresentam variação genética no metabolismo dos endocanabinoides.

A redução do tônus ​​canabinoide também foi considerada a base dos sintomas da fibromialgia. Os profissionais médicos não identificam a causa desta doença há anos, caracterizada por fadiga, rigidez, dor e sensibilidade. Curiosamente, uma deficiência de endocanabinoide na medula espinhal foi investigada por sua possível contribuição para muitos desses sintomas. Além disso, o tratamento com canabinoides está sendo investigado como uma opção possível para ajudar com alguns sintomas dessa doença.

Que doenças podem estar relacionadas à deficiência de endocanabinoides?

As pesquisas sobre a deficiência clínica de endocanabinoides ainda está em seus estágios iniciais. No entanto, alguns estudos estão estabelecendo ligações entre o baixo tônus ​​endocanabinoide e as seguintes doenças (entre outras):

  • Enxaqueca
  • Depressão grave
  • Transtorno de ansiedade generalizada
  • Transtorno de estresse pós-traumático
  • Esclerose múltipla
  • Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH)
  • Transtornos do sono
  • Parkinson

Quais são as causas da deficiência de endocanabinoides?

Vários fatores estão sendo examinados como possíveis causas da diminuição do tônus ​​endocanabinoide e sua consequente deficiência. Esse problema pode ser devido a aspectos relacionados à dieta e estilo de vida, além da genética.

Fatores genéticos

Primeiro, vamos examinar os fatores genéticos.

  • Falta de receptores canabinoides

Os endocanabinoides se ligam aos receptores para criar mudanças em muitos tipos diferentes de células. Se uma pessoa tem uma carência de receptores canabinoides, muitas dessas moléculas de sinalização não têm onde se ligar. Aqueles que investigam a deficiência de endocanabinoides acreditam que fatores genéticos podem influenciar o número de receptores em uma área específica do corpo.

  • Superabundância de enzimas metabólicas

Enquanto algumas enzimas criam endocanabinoides, outras os decompõem. Se uma pessoa produz um excesso de enzimas que quebram os endocanabinoides, provavelmente experimentará uma redução no tônus ​​dos endocanabinoides.

  • Níveis insuficientes de endocanabinoides

A produção de endocanabinoides depende de duas variáveis ​​principais: materiais precursores e a genética. Essas moléculas são derivadas de ácidos graxos na dieta, portanto, a falta desses nutrientes pode resultar em menos canabinoides no corpo. As alterações genéticas também podem significar que algumas pessoas produzem naturalmente menos endocanabinoides do que outras.

Quais fatores externos contribuem para a deficiência de endocanabinoides?

Agora, vamos examinar os fatores externos que podem contribuir para a deficiência de endocanabinoides.

  • Falta de sono

O sono é a base da nossa saúde. Sem um bom descanso, rapidamente perdemos nossa agudeza mental e começamos a nos sentir letárgicos e fatigados. O sistema endocanabinoide desempenha um papel fundamental no ciclo sono-vigília. As flutuações neste ciclo são uma demonstração perfeita da homeostase. Quando ficamos acordados até tarde e interrompemos nosso ciclo de sono por longos períodos, isso afeta diretamente o funcionamento do sistema endocanabinoide.

  • Má alimentação

Nós somos o que comemos. Nosso corpo não produz endocanabinoides a partir do zero; devemos fornecer os precursores certos por meio da dieta. As enzimas criam essas moléculas valiosas usando ácidos graxos. Esses nutrientes também regulam diretamente o sistema endocanabinoide. A falta de gorduras saudáveis ​​e o excesso de comidas gordurosas podem atrapalhar a maneira como o corpo produz endocanabinoides, o que pode levar a uma deficiência.

  • Estresse

O sistema endocanabinoide está envolvido no controle dos efeitos hormonais e comportamentais do estresse. Ele tenta continuamente nos tirar de um estado alterado para a homeostase. O estresse constante da vida moderna pode sobrecarregar o SEC, levando ao esgotamento e disfunções.

  • Falta de exercício

Após o exercício, o corpo libera uma onda de endocanabinoides. Como evoluímos para nos movermos constantemente, a falta de exercícios pode afetar a manutenção do tônus ​​endocanabinoide do corpo.

  • Consumo de álcool

Todo mundo sabe que o excesso de álcool prejudica o corpo. Com o tempo, o consumo excessivo de álcool afeta a função do sistema endocanabinoide, reduzindo seu tônus.

Como você pode potencializar seu sistema endocanabinoide?

Às vezes, parece que a vida moderna está indo contra nós de várias maneiras. Um estilo de vida sedentário, nossa dieta, falta de sono e altos níveis de estresse podem afetar nosso sistema endocanabinoide; e todos nós experimentamos isso até certo ponto.

Felizmente, há muitas maneiras de manter o SEC sob controle. Para manter essa rede em ótimas condições, você pode seguir pequenas dicas todos os dias: desde comer os alimentos certos até beber chás de ervas e manter seu corpo ativo.

  • Reduzir o estresse

Como o estresse pode prejudicar o sistema endocanabinoide, faz sentido tentar controlá-lo. Algumas técnicas como a meditação podem ajudar a combater o estresse, beneficiando o corpo e a mente de várias maneiras. Na verdade, essa prática está sendo estudada por seu potencial para ajudar a regular o SEC e aumentar o tônus ​​endocanabinoide.

A acupuntura e a massagem também ajudam a reduzir os efeitos do estresse, e as pesquisas iniciais afirmam que essas técnicas poderiam ajudar a aumentar os níveis de endocanabinoides.

  • Fazer exercício

O corpo humano evoluiu para se mover. Caminhar e correr mantem a saúde do coração e dos pulmões, enquanto o levantamento de peso nos permite desenvolver e manter a massa muscular magra, contribuindo para a longevidade. O exercício físico ativa o SEC e aumenta o tônus ​​endocanabinoide.

A corrida pode aumentar os níveis de anandamida (o que, por sua vez, ajuda a melhorar o humor) e é a base para os efeitos eufóricos do “barato do corredor” (Runner’s High).

Está sendo investigado se o levantamento de pesos produz um efeito semelhante. Nesse caso, cada flexão e levantamento de peso poderia aumentar a atividade do sistema endocanabinoide.

  • Alimentação

Comer certos alimentos pode ajudar a aumentar o tônus ​​endocanabinoide. Alguns dos alimentos mostrados abaixo atuam como blocos de construção para os endocanabinoides, enquanto outros aderem diretamente aos nossos receptores.

– Ácidos graxos ômega

Sem os ácidos graxos ômega, nossos corpos não podem produzir endocanabinoides. Precisamos de uma proporção equilibrada de ômega-6 e ômega-3 (cerca de 50% de cada). Estas são as melhores fontes desses ácidos graxos:

Omega-6:

  • Nozes
  • Sementes de abóbora
  • Sementes de cânhamo
  • Ovos
  • Sementes de girassol

Ômega 3:

  • Peixe
  • Sementes de chia
  • Ovos
  • Óleo de fígado de bacalhau
  • Ostras
  • Caviar
  • Linhaça moída

– Chocolate

Muitas pessoas pensam no chocolate como uma guloseima doce e açucarada, disponível nas prateleiras do supermercado. Mas, realmente, o verdadeiro chocolate é obtido a partir do fruto da planta do cacau. Curiosamente, esta fruta contém anandamida, o endocanabinoide presente em humanos.

– Flavonoides

Os flavonoides são compostos antioxidantes presentes em muitos alimentos. Eles são responsáveis ​​pelas cores brilhantes de muitas frutas e vegetais, desde a beterraba até o mirtilo. Flavonoides como a quercetina podem ajudar a aumentar os níveis dos receptores canabinoides. Os seguintes alimentos são carregados com essas moléculas:

  • Cerejas
  • Cítricos
  • Maçãs
  • Mel
  • Uvas
  • Cebolas
  • Framboesas
  • Vegetais de folhas verdes

– Prebióticos

Bilhões de micróbios benéficos residem em nosso intestino. O sistema endocanabinoide tem estreita relação com essa comunidade, sendo que alguns deles são capazes de aumentar a expressão do receptor CB2. Para manter esses micróbios felizes e saudáveis, alimente-os com estes produtos ricos em fibras:

  • Cebola
  • Alho
  • Alho-poró
  • Bardana
  • Alcachofras

– Cariofileno

O beta-cariofileno detém o título de terpeno e canabinoide. Essa molécula é responsável pelas notas terrosas e apimentadas de muitas variedades de maconha. Liga-se diretamente ao receptor CB2 e pode ajudar a acalmar o corpo.

Alimentos e ervas ricos em cariofileno incluem:

  • Cannabis
  • Lúpulo
  • Pimenta-preta
  • Melissa (erva-cidreira)

Qual o papel do CBD na deficiência de endocanabinoides?

O CBD também está sendo investigado por sua relação e efeito sobre o tônus ​​endocanabinoide. Esta molécula atua de duas maneiras fundamentais para aumentar a atividade endocanabinoide e combater sua deficiência.

  • Ativação do receptor: Embora o CBD não se ligue aos receptores CB1 ou CB2, ele parece ativar totalmente o receptor TRPV1, uma parte do sistema endocanabinoide estendido. Ao fazer isso, o CBD pode ajudar a acalmar o corpo e reduzir a sinalização prejudicial do sistema nervoso.
  • Aumenta os níveis de anandamida: o CBD pode ajudar a neutralizar a deficiência, evitando que as enzimas (especificamente FAAH) quebrem a anandamida com tanta frequência.

Outros fitocanabinoides

A cannabis produz dezenas de diferentes canabinoides. A ciência está apenas começando a entender seu mecanismo de ação, mas muitos deles se ligam a receptores canabinoides e podem ajudar a combater a deficiência de endocanabinoides no futuro. Os fitocanabinoides incluem:

THCV – Um canabinoide que está ganhando destaque
CBG – Um canabinoide que mostra um enorme potencial terapêutico
CBC – O terceiro canabinoide mais abundante
CBDV – Pouco se sabe sobre a canabidivarina

Referência de texto: Royal Queen

Um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s